Daniel Alves Pena
Headlines News :

Latest Post

Facebook: a Matrix já está em nosso meio

Written By Daniel Pena on segunda-feira, 22 de setembro de 2014 | 18:34





Acessei o face e observei uma frase interessante.
NO QUE VOCÊ ESTÁ PENSANDO?


Bom, esta resposta é para o criadores da pergunta (facebook).

Penso que o face é como a matriz (do filme) onde as pessoas entram e perdem a conexão com as pessoas a sua volta.
Vive um mundo virtual a todo tempo.
Bem próximo ao que o personagem Nil vivia ao ser conectado a Matrix, ele vivia do outro lado da conexão, porem ninguém conseguia falar com ele.

Ninguém mais fala com ninguém sentam-se próximos, porem estão conectadas vivendo em um mundo virtual.
As pessoas saem não para se divertir, saem para se conecta.

Filhos que não se comunicam com os Pais, esposa com o esposo e por ai vai.

Certa ocasião conversava com um amigo (Isaías) em minha casa e falávamos sobre este assunto e foi só olhar para o lado e podemos constatar que as pessoas que estavam em minha casa as que moram comigo e a que veio com ele estavam distantes de nossa conversa por uma simples razão, estavam conectadas a Matrix (face).

Não quero com isso satanizar o face, porem informar que devemos saber utilizar a utilidade desta feramente sem sermos escravizados ao sistema que sempre que você acessa vai de perguntar : “NO QUE VOCÊ ESTÁ PENSANDO?”.


“Examinai tudo. Retende o bom.” [1 Tessalonicenses 5:21]

Sou fraco, extremamente fraco

Written By Daniel Pena on domingo, 21 de setembro de 2014 | 19:04







"E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.
Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte." [2 Coríntios 12:9-10]

Sabendo que sou fraco e é exatamente nesses momentos de fraqueza que o poder de Elohim (Deus) se aperfeiçoa, preciso entender que é em minhas fraquezas que sou provado.

Não existe ninguém forte e os que se acham fortes estão bem próximos da queda.
Confiar demasiadamente em si mesmo em seu potencial nós da a sensação de segurança, porem precisamos entender que somos fracos e que é exatamente para isso que Yeshua morreu por nós.

Entender nossa fraqueza nos coloca exatamente nos lugar que ocupamos diante do Eterno.
Alguns confiam demais em si mesmos ao ponde de afirmar: ”Sou um servo do Senhor e isso não acontecerá comigo.”

Maldito é o homem que confia em si mesmo.
“Assim diz o Senhor: Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor! “ [Jeremias 17:5]

Confiança é bom porem a maior confiança está no Senhor, nunca subestime seu inimigo, do contrário ele te vencerá.

Em meu caso digo e afirmo: “O Senhor é a minha força e o meu cântico; e se fez a minha salvação.” [Salmos 118:14]

O Dilúvio durou um ano e dez dias, segunda a bíblia

Written By Daniel Pena on terça-feira, 16 de setembro de 2014 | 15:58




Desde criança aprendemos muitas coisas fora do contexto dentro de algumas Igrejas, uma delas é o período que durou o dilúvio.
Dizem que foi quarenta dias e quarenta noites, cento e cinquenta diz, mas o que a bíblia nos ensina?
Usarei apenas a bíblia com alguns dados no origina e na bíblia normalmente usada por todos, corrompida, mas da para quebrar o galho.

Vamos aos fatos.

17/02/600 – Noarh entra na Arca Noé entrou na arca aos 17º dias do segundo Mês do ano 600 da vida de Noarh.

Gênesis - Bereshit [No princípio] בראשי - 7.11-13

“11 No ano seiscentos da vida de Noarh, no mês segundo, aos dezessete dias do mês, naquele mesmo dia se romperam todas as fontes do grande abismo[Terróm;Profundidade aqüífera], e as janelas dos céus se abriram,
12 E houve chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites.
13 E no mesmo dia entraram na arca Noarh, seus filhos Shem, Ram e Yahfet, sua mulher e as mulheres de seus filhos.”
[Bíblia Peshitta versão 2008]

“11 No ano seiscentos da vida de Noé, no mês segundo, aos dezessete dias do mês, naquele mesmo dia se romperam todas as fontes do grande abismo, e as janelas dos céus se abriram,
12 E houve chuva sobre a terra quarenta dias e quarenta noites.
13 E no mesmo dia entraram na arca Noé, seus filhos Sem, Cão e Jafé, sua mulher e as mulheres de seus filhos.” [Bíblia - Almeida Corrigida e Revisada Fiel]


27/02/601 - Noarh sai  na Arca
Noé saiu da arca no 27º dia do segundo mês do ano seguinte

Gênesis - Bereshit [No princípio] בראשי -  8.13-16

13 E aconteceu que no ano seiscentos e um, no mês primeiro, no primeiro dia do mês, as águas se secaram de sobre a terra. Então Noarh tirou a cobertura da arca, e olhou, e eis que a face da terra estava enxuta.
14 E no segundo mês, aos vinte e sete dias do mês, a terra estava seca.
15 Então falou ‘Elo(rr)hím a Noarh dizendo:
16 Sai da arca, tu com tua mulher, e teus filhos e as mulheres de teus filhos.” [Bíblia Peshitta versão 2008]

“13 E aconteceu que no ano seiscentos e um, no mês primeiro, no primeiro dia do mês, as águas se secaram de sobre a terra. Então Noé tirou a cobertura da arca, e olhou, e eis que a face da terra estava enxuta.
14 E no segundo mês, aos vinte e sete dias do mês, a terra estava seca.
15 Então falou Deus a Noé dizendo:
16 Sai da arca, tu com tua mulher, e teus filhos e as mulheres de teus filhos.” [Bíblia - Almeida Corrigida e Revisada Fiel]

Fazendo as contas:

17/02/600 – Noarh entra na Arca

27/02/601 - Noarh sai  na Arca

27/02/601
17/02/600
-------------
10/00/001 = Um ano e dez dias.



Obs: segundo mês no judaísmo não é fevereiro não, ta pessoal.

Baruch Hashem

Por Daniel Alves Pena

Não quebrarei o que saiu dos meus lábios

Written By Daniel Pena on segunda-feira, 15 de setembro de 2014 | 12:24

Se imagine entrando nas casas Bahia para comprar um televisor.


Você – Oi eu quero uma televisão de 48 polegadas LCD colorida.
O vendedor – Nós temos sim, você vai querer levar?
Você – Sim, mas vou parcelar, pois não posso pagar tudo agora.
O vendedor – Ok, você tem a vida toda para pagar.
Você – Que ótimo, a vida toda mesmo?
O vendedor – Sim a vida toda mesmo,caso você morra, o contrato deixa de ter validade.
Você – Eu vou levar.

Em momento algum você se preocupou em pergunta sobre a garantia, quanto pesa, se ronca, se é bom filho, se é trabalhador.

Anos mais tarde você ora ao Eterno.

Você – Senhor me ajude, minha televisão quebrou e eu quero uma melhor, porem não quero honrar o compromisso da aquisição da primeira televisão.

Lembre-se do Salmos “Não quebrarei o que saiu dos meus lábios" (Salmo 89:34).

Me desculpe por comparar seu cônjuge a uma televisão porem foi a forma contemporânea para ficar bem esclarecido.

Muitos casamentos iniciam-se pela motivação errada e isso gera problemas em um futuro próximo: ter direito de usufruir do sexo, fugir dos problemas familiares, sair da tutela e vigilância de pais opressores, ter uma pessoa com quem compartilhar despesas, dar nome a um filho indesejado, satisfazer as exigências da sociedade, ser dono do próprio nariz, encontrar a felicidade, ou em alguns casos para ser membro de uma igreja.

No entanto, ainda que sua escolha tenha acontecido por razões incompatíveis com o amor, separar-se nunca é a melhor solução. Não desista! Erros passados não anulam o direito de ser e de fazer o outro feliz. "E serão os dois uma só carne e, assim, já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou, não o separe o homem (Marcos 10:8,9).

Separação nunca foi e jamais será o plano de Deus. Divórcio só acontece por causa da dureza do coração do homem. "Disse-lhes ele [Jesus]: Moisés, por causa da dureza do vosso coração, vos permitiu repudiar vossa mulher; mas, ao princípio, não foi assim" (Mateus 19:8).
É a dureza do coração irreconciliável que aventa a possibilidade da separação. O divórcio sempre promete mais do que produz. Em vez de estimulada com palavras e atos irracionais, a separação deve ser banida do relacionamento a partir do perdão e da tolerância.

Antes do divórcio, o Eterno ensina acerca do perdão, da reconciliação, do amor e da paz. Por causa da dureza do coração, a misericórdia de Elohim (Deus) tolera a separação. No entanto, a vontade absoluta do Senhor é frustrada com o divórcio. Yeshua (Jesus) gostaria que o casamento jamais chegasse ao fim.
A separação quebra a união feita na presença do Senhor. O rompimento desse pacto traz resultados drásticos, tanto para o casal como para os filhos e os parentes. As feridas abertas enfrentam uma longa e dolorosa jornada para a cura.

O casamento é um pacto de fidelidade pelo qual ambos os cônjuges prometem viver lado a lado na alegria e na tristeza, na fartura e na pobreza, na saúde e na doença, na juventude e na velhice; fiéis um ao outro nos melhores e nos piores momentos. O que diz a Palavra do Senhor? "Não quebrarei o que saiu dos meus lábios" (Salmo 89:34).

Se você enfrenta problemas em seu relacionamento, não adianta apenas orar, se faz necessário o auxilio de uma pessoa competente para tratar da incompatibilidade psicológica entre ambos.  Mudar a rotina, restaurar alguns princípios pode fazer toda a diferença.
Nunca se esqueça que foi você que escolheu a pessoa que está ao seu lado, por isso vale lembrar um versículo bem importante para refrescar nossa memória.
“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.”Gálatas 6:7.

Vou deixar abaixo um link do livro – Homens são de Marte e Mulheres são de Vênus, baixe o arquivo para seu computador e leia atentamente, poderá te dar um suporte psicológico para melhorar seu relacionamento.


Baixar formato PDF. AQUI.

Orando por você: Senhor perdoe essa pessoa que não esperou com paciência e se adiantou a sua vontade unindo-se com alguém pelo desejo.
Meu pai celestial sabemos que a culpa da má escolha não é sua, é totalmente da pessoa, porem peço que ajude a ter mais paciência e entender que cada um de nós deve levar uma cruz (Problemas que provocamos na vida), ensine-a a entender que ela precisa fazer sua parte, exercitando o amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.

E que entenda que seu corpo sempre vai desejar seguir o adultério, fornicação, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias.
Te peço isso em nome de Yeshua (Jesus) Amém.

Se Saul profetizou nu, Yeshua celebrou a ceia nu

Written By Daniel Pena on domingo, 14 de setembro de 2014 | 19:25



Quero começar este artigo com uma temática bem sugestiva.

Primeiro  exemplo:

“Porque tive fome, e destes-me de comer; tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me; Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver.” Mateus 25:35-36
Será que Yeshua(Jesus) estava dizendo que estava pelado? Ou com roupas pobres, rasgadas, citando os mendigos?

Segundo  exemplo:


Seu pastor também fica nu para a celebração da Santa Ceia?
Observe que o texto diz:”
Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se.

“Jesus, sabendo que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas, e que havia saído de Deus e ia para Deus, Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se. Depois deitou água numa bacia, e começou a lavar os pés aos discípulos, e a enxugar-lhos com a toalha com que estava cingido.”  (João 13.3-5)
É muito óbvio que yeshua (Jesus) tirou sua capa, a do mestre que o identificava como tal e não a roupa ficando nu.

Terceiro  exemplo:

“20  E começou Noé a ser lavrador da terra, e plantou uma vinha.
21  E bebeu do vinho, e embebedou-se; e descobriu-se no meio de sua tenda.
22  E viu Cão, o pai de Canaã, a nudez do seu pai, e fê-lo saber a ambos seus irmãos no lado de fora.”  (Gênesis 9.20-22)

Logo após está sena Noé amaldiçoa seu neto Canaã por causa do filho Cão.

“E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos.” Gênesis 9.25

Se ver a nudez do pai trouxe tantos problemas para Cam, porque Deus deixaria Saul ficar nu para profetizar?

Quarto exemplo:

Você sabia que existiu nos primórdios uma lei dada por Elohim (Deus) falando sobre a nudez? Não?
Então observe: Leviticos 18.5-18
5  Portanto, os meus estatutos e os meus juízos guardareis; os quais, observando-os o homem, viverá por eles. Eu sou o SENHOR.
6  Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne, para descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR.
7  Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe: ela é tua mãe; não descobrirás a sua nudez.
8  Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai; é nudez de teu pai.
9  A nudez da tua irmã, filha de teu pai, ou filha de tua mãe, nascida em casa, ou fora de casa, a sua nudez não descobrirás.
10  A nudez da filha do teu filho, ou da filha de tua filha, a sua nudez não descobrirás; porque é tua nudez.
11  A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai (ela é tua irmã), a sua nudez não descobrirás.
12  A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta de teu pai.
13  A nudez da irmã de tua mãe não descobrirás; pois ela é parenta de tua mãe.
14  A nudez do irmão de teu pai não descobrirás; não te chegarás à sua mulher; ela é tua tia.
15  A nudez de tua nora não descobrirás: ela é mulher de teu filho; não descobrirás a sua nudez.
16  A nudez da mulher de teu irmão não descobrirás; é a nudez de teu irmão.
17  A nudez de uma mulher e de sua filha não descobrirás; não tomarás a filha de seu filho, nem a filha de sua filha, para descobrir a sua nudez; parentas são; maldade é.
18  E não tomarás uma mulher juntamente com sua irmã, para fazê-la sua rival, descobrindo a sua nudez diante dela em sua vida.
Se havia uma lei sobre nudez, será que o Eterno faria Saul ficar nu para profetizar por qual motivo? Iria Hashem (O nome) contra sua própria lei?

Depois de quatro exemplos, vamos ao texto que causa má interpretação.



1 Samuel 19.20-24
20 Então enviou Saul mensageiros para trazerem a Davi, os quais viram uma congregação de profetas profetizando, onde estava Samuel que presidia sobre eles; e o Espírito de Deus veio sobre os mensageiros de Saul, e também eles profetizaram.
OBSERVAÇÃO: Note que nenhum momento nenhum dos primeiros mensageiros ficaram nu.

21 E, avisado disto Saul, enviou outros mensageiros, e também estes profetizaram; então enviou Saul ainda uns terceiros mensageiros, os quais também profetizaram.
OBSERVAÇÃO: Note que nenhum momento nenhum dos segundo ou terceiros mensageiros ficaram nu.

22 Então foi também ele mesmo a Ramá, e chegou ao poço grande que estava em Secu; e, perguntando, disse: Onde estão Samuel e Davi? E disseram-lhe: Eis que estão em Naiote, em Ramá.
23 Então foi para Naiote, em Ramá; e o mesmo Espírito de Deus veio sobre ele, e ia profetizando, até chegar a Naiote, em Ramá.
OBSERVAÇÃO: Note que ele profetizava sem ficar nu.

24 E ele também despiu as suas vestes, e profetizou diante de Samuel, e esteve nu por terra todo aquele dia e toda aquela noite; por isso se diz: Está também Saul entre os profetas?
OBSERVAÇÃO: Ele apenas tira sua capa de Rei, pois vai estar diante do profeta de Elohim (Deus) e diante do Rei ungido pelo próprio Eterno.


Nem Davi, Samuel ou um dos profetas estavam nus.
A única citação sobre retirar as vestes se faz sobre Saul, o que intriga no texto é que Saul foi para lá para matar Davi.
Estaria o Ruach HaKodesh (Espírito Santo) usando alguém com ódio no coração? Ou Estaria o Ruach HaKodesh (Espírito Santo) dando um alerta a Saul?




Compare a frase esteve nu com:

Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver.” Mateus 25:35-36

Ou com:
“Levantou-se da ceia, tirou as vestes, e, tomando uma toalha, cingiu-se”. (João 13.3-5)
É óbvio que o ficar nu em ambos os caso faz menção de estar sem o símbolo da capa que era representativa naquela época.
 

  Observe em
1 Samuel 24:9-11 onde Davi chama Saul de pai.
Seria Saul pai de Davi? Claro que não, pois naquela época chamar de pai era uma forma de reconhecer a autoridade da pessoa em questão.
1 Samuel 24:9-11
"9 E disse Davi a Saul: Por que dás tu ouvidos às palavras dos homens que dizem: Eis que Davi procura o teu mal?
10 Eis que este dia os teus olhos viram, que o SENHOR hoje te pôs em minhas mãos nesta caverna, e alguns disseram que te matasse; porém a minha mão te poupou; porque disse: Não estenderei a minha mão contra o meu senhor, pois é o ungido do SENHOR.
11 Olha, pois, meu pai, vê aqui a orla do teu manto na minha mão; porque cortando-te eu a orla do manto, não te matei. Sabe, pois, e vê que não há na minha mão nem mal nem rebeldia alguma, e não pequei contra ti; porém tu andas à caça da minha vida, para ma tirares."


Ainda no mesmo exemplo vemos Eliseu chamando Elias de Pai.
Seria Elias pai de Eliseu?
Claro que não, pois naquela época chamar de pai era uma forma de reconhecer a autoridade da pessoa em questão.

"12  O que vendo Eliseu, clamou: Meu pai, meu pai, carros de Israel, e seus cavaleiros! E nunca mais o viu; e, pegando as suas vestes, rasgou-as em duas partes." (2Rs.2:12)

Analisando o texto através das traduções.

A conclusão mais provável é esta: maltrapilho, vestido de maneira pobre, vestido com uma só roupa ou tendo tirado o manto.

E despindo-se de suas roupas, também profetizou em transe na presença de Samuel. Ele ficou deitado nu todo aquele dia e toda aquela noite. Por isso, o povo diz: "Está Saul também entre os profetas? " (1 Samuel 19:24) Bíblia Nova Versão Internacional

Despiu suas vestes, profetizando diante de Samuel e ficou assim despido, prostrado por terra durante todo o dia e toda a noite. Daí o ditado: Está Saul também entre os profetas?” (1 Samuel 19:24) Versão Católica

            Et expoliavit etiam ipse se vestimentis suis, et prophetavit cum ceteris coram Samuele, et cecidit nudus tota die illa et nocte. Unde et exivit proverbium: Num et Saul inter prophetas? (1 Samuel 19:24) vulgata tradução original

E ele também despiu os seus vestidos, e ele também profetizou diante de Samuel, e esteve nu por terra todo aquele dia e toda aquela noite; pelo que se diz: Está também Saul entre os profetas?
O verbo usado no Hebraico seria BËGÅDÅYV (בְּגָדָיו) que é beged Tradução: roupa, traje; traição, infidelidade.

vayyiphshath gam-hu' beghâdhâyvvayyithnabbê' gham-hu' liphnêy shemu'êl vayyippol `ârom kol-hayyom hahu' vekhol-hallâylâh `al-kên yo'mru hagham shâ'ulbannebhiy'im ph

   Versão: Suomi: Suomen Raamattuopisto (1776)

ויפשׂט גם הוא בגדיו ויתנבא גם הוא לפני שׂמואל ויפל ערם כל היום ההוא וכל הלילה על כן יאמרו הגם שׂאול בנביאם
Versão: מקורי: Hebraico

O comentário bíblico SDABC nos explica que a expressão original hebraica pode indicar vários modos, como: maltrapilho, vestido de maneira pobre, vestido com uma só roupa ou tendo tirado o manto. Essas diferentes formas de traduzir o mesmo termo original estão em nossas versões para a língua portuguesa nas seguintes passagens: (Jó 1:21; 22: 6; 24: 7, 10; Isaías 58:7; 20:2).

 “Tirar a roupa” pode não significar “tirar TODA a roupa”.

Pelo costume da época e o contexto da narração, é muito provável que Saul tenha tirado o seu manto real e permanecido somente com sua roupa comum. Existia a túnica interna que era uma prenda interior usada somente dentro de casa. Na rua, o manto exterior ou a capa era apenas jogado por cima. Despojado de seu manto real, talvez Saul ficou vestido à semelhança de um dos alunos da escola dos profetas.

Se no local estavam Samuel (sacerdote), Davi (O rei que o Eterno consagrou), como Saul poderia estar diante deles usando um manto real, a capa de rei, se orei Davi estava presente?

Por Daniel Alves Pena

Seria Mateus 28.19 uma farsa incluída Tertulianica ou uma interpolação tardia?

Written By Daniel Pena on sexta-feira, 12 de setembro de 2014 | 17:15


Seria Mateus 28.19 uma farsa incluída Tertulianica ou uma interpolação tardia?

Tive o prazer de ler este livro, Daniel Pena
Bom, vamos caminhar em passos lentos para entendermos toda a história por de trás da frase de Eusébio no livro, História Eclesiástica, Livro III.5.ii . “Porém, com o poder de Cristo, que havia-lhes dito: Ide e fazei discípulos de todas as nações em meu nome , dirigiram seus passos para todas as nações para ensinar a mensagem.”
A evidência primária onde tais sugestões se baseiam é a citação ou alusão a este texto nos escritos de Eusébio. Como exemplo, nós podemos notar suas palavras na História Eclesiástica, Livro III.5.ii:
“Depois da ascensão de nosso Salvador, os judeus acrescentaram ao crime cometido contra ele a invenção de inúmeras ameaças contra seus apóstolos: Estevão foi o primeiro que eliminaram, apedrejando-o ; depois dele, Tiago, filho de Zebedeu e irmão de João, a quem decapitaram ; e depois de todos, Tiago, o que depois da ascensão de nosso Salvador foi o primeiro designado para o trono episcopal de Jerusalém e morreu da forma que já descrevemos. E os demais apóstolos sofreram milhares de ameaças de morte e foram expulsos da terra da Judéia. Porém, com o poder de Cristo, que havia-lhes dito: Ide e fazei discípulos de todas as nações em meu nome , dirigiram seus passos para todas as nações para ensinar a mensagem.” -  Eusébio no livro, História Eclesiástica, Livro III.5.ii
Com base nesta citação de Eusébio bem como a aparente "fórmula batismal" de Atos e as epístoloas, alguns comentadores tem sugerido que a frase tripartite do versículo 19 é uma interpolação litúrgica ou expansão das palavras originais de nosso Mestre, que ordenou o batismo "em Meu nome" ao contrário de no "nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". Hagner explica:
“O nome triplo (no máximo somente um trinitarismo nascente) no qual o batismo seria efetuado, de outra forma, parece claro que é uma expansão litúrgica do evangelista conforme a prática de seus dias (assim Hubbart; cf Didymus 7.1). Há uma boa possibilidade que em sua forma original, como testemunhado pela forma ante-nicena de Eusébio, o texto era lido "fazer discípulos em meu nome" (veja Conybeare). Esta leitura menor preserva o ritmo simétrico da passagem, ao passo que a fórmula triádica se encaixa inadequadamente na estrutura assim como alguém poderia esperar se ela fosse uma interpolação.” Hagner
Mas mesmo Hagner não nega que a designação tripartite é original ao evangelho de Mateus, só que Mateus deve ter expandido por sua conta as palavras de Yeshua:
Em contraste com o batismo de João, este batismo traz uma pessoa para uma existência que é fundamentalmente determinada por, por exemplo, Pai, Filho e Espírito Santo (ες τ μόν νομα, "em meu nome", em 18:20).
Nós devemos ter cuidado para não sermos persuadidos por enganosa pseudo-erudição freqüentemente encontrada em nossos dias. Por exemplo, Willis extrai uma citação do comentário de R. V. G. Tasker sobre Mateus fazendo-o parecer como se o autor desta exposição concordasse que a frase tripartite não é original no evangelho de Mateus.
Willis escreve:
O comentário do Novo Testamente de Tyndale, I, 275:
É freqüentemente afirmado que as palavras no nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo não são as ipsissima verba [exatas palavras] de Jesus, mas...uma adição litúrgica posterior.
Mas esta é uma citação enganosa porque ela representa a descrição de o que outros acreditam, não o que o autor mesmo mantém. Aqui está a verdadeira citação em seu contexto:
“É freqüentemente afirmado que as palavras no nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo não são as ipsissima verba [exatas palavras] de Jesus, mas tanto as palavras do evangelista colocadas em Sua boca, ou uma adição litúrgica posterior. É argumentado que nos lábios de Jesus elas são um anacronismo; que a Igreja antiga não as usou de fato como uma fórmula batismal até o segundo século; e que Eusébio de Cesaréia ao citar esta passagem freqüentemente omite ou varia estas palavras. De outra forma, as palavras são encontradas em todos manuscritos existentes; e é difícil ver por que o evangelista as teria inserido se na época que ele estava escrevendo elas não formavam nenhuma parte da liturgia da Igreja. É também difícil de supor que, se Eusébio tivesse realmente conhecido um manuscrito que omitisse estas palavras, algum traço da influência destes manuscritos não teria sobrevivido na tradição textual. Além disto, pode muito bem ser que a verdadeira explicação do porquê a igreja antiga não administrou imediatamente o batismo no nome triplo é que as palavras de xxviii.19 não foram destinadas originalmente por nosso Senhor como fórmula batismal. Ele não estava dando instruções sobre as exatas palavras a serem usadas no serviço do batismo, mas, como já foi sugerido, estava indicando que a pessoa batizada seria pelo batismo passada para a possessão do Pai, do Filho e do Espírito Santo.” - O comentário do Novo Testamente de Tyndale, I, 275.
Willis também cita do Dicionário da Bíblia de Hastings com a intenção de fornecer provas que eruditos geralmente consideram que a frase tripartite de Mateus 28:19 é uma adição católica tardia. Contudo, se alguém consultar o próprio artigo, descobrirá que a citação dada é extraída de uma lista de quatro hipóteses gerais oferecidas por eruditos a respeito da frase tripartite, uma hipótese que o autor do artigo (Alfred Plummer) rejeita! Willis também oferece a seguinte citação da ISBE, erroneamente dita ser do artigo sobre "Batismo" quando é, de fato, extraída do artigo sobre "Sacramentos":
Mateus 28:19 em particular somente canoniza uma situação eclesiástica posterior, que seu universalismo é contrário aos fatos da história da igreja primitiva, e sua fórmula Trinitária (é) estranha à boca de Jesus.
Aqui está a citação em seu contexto completo:
(1) A respeito do Batismo tem sido argumentado que como Mc 16:15 ocorre em uma passagem (16:9-20) que a crítica textual tem mostrado ser formada de nenhuma parte do evangelho original, Mateus 28:19, por si só, é um fundamento muito frágil para dar suporte à crença que a ordenança descansa em uma prescrição de Jesus, mais especificamente como suas declarações são inconsistentes com os resultados da crítica histórica. Estes resultados, é afirmado, provam que todas as narrativas dos Quarenta Dias são lendas, que Mateus 28:19 em particular somente canoniza uma situação eclesiástica posterior, que seu universalismo é contrário aos fatos da história da igreja primitiva, e sua fórmula Trinitária "estranha à boca de Jesus" (veja Harnack, História do Dogma, I, 79, e as referências ali fornecidas).
É evidente, contudo, que algumas destas objeções descansam em pressuposições anti-supernaturais que realmente solicitam à pergunta em questão e outras, conclusões para as quais as premissas reais estão faltando. Contra todos eles nós temos que estabelecer o positivo e forte fato que dos primeiros dias do Cristianismo, o Batismo aparece como o rito de iniciação à comunidade da igreja (Atos 2:38,41, et passim), e que até Paulo, com toda sua liberdade de pensamento e interpretação espiritual do evangelho, nunca questionou sua necessidade (compare Rm 6:3 ff; 1 Co 12:13; Ef 4:5). Em qualquer outra suposição, onde ele não é decretado pelo próprio Senhor, é difícil de conceber como dentro do pequeno espaço de anos entre a morte de Jesus e as primeiras referências dos apóstolos ao tema, a ordenança não somente se originaria, mas também estabeleceria de forma tão absoluta para cristãos judeus e gentílicos igualmente. (ênfase minha)
A falha de Willis em adulterar fontes para fazê-las dizer precisamente o posto daquilo que os autores pretendiam dizer não deixa de ser repreensível, mas infelizmente isto representa a desinformação (muito) freqüentemente encontrada na internet.
Isto não é para negar o fato de que alguns eruditos modernos consideram que a frase tripartite de Mateus 28:19 é uma "interpolação tardia". Por exemplo, Bultmann escreve:
“O que batiza nomes sobre o que está sendo batizado o nome do "Senhor Jesus Cristo", depois expandido para o nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (primeiro atestado em Did. 7:1,3, Justino Apol. 61:3, 11, 13; também encontrado em Mateus 28:19, mas esta é talvez um caso de interpolação tardia).”
Outros o tem seguido em sugerir que a frase tripartite foi adicionada às palavras explícitas (ipsissima verba) de Yeshua. Mas nós deveríamos ser cautelosos em não confundir o ponto de vista que a frase tripartite é uma "interpolação posterior" com a idéia de que a frase não é original no Evangelho de Mateus mas adicionada em séculos posteriores. Alguns daqueles que consideram a possibilidade de uma "interpolação posterior" querem dizer que o próprio Mateus interpolou as palavras de Yeshua, e que a frase tripartite é original ao Evangelho.
Da mesma forma, o que fez muitos suspeitarem da frase tripartite em Mateus 28:19 é que eles estão considerando-a uma "fórmula batismal", ou seja, palavras litúrgicas prescritas requeridas a serem ditas no batismo. Quando nosso texto é considerado uma fórmula batismal, ela se opõe às consistentemente usadas fórmulas encontradas em Atos e nas Epístolas, onde alguém é batizado "em (o) nome de Yeshua" ou "em (o) Yeshua Messhiah" ou algum equivalente próximo (por exemplo, Atos 2:38; 8:16; 10:48; 19:5; cf. Rm 6:3). Mas não há razão clara para presumir que Mateus está nos dando uma "fórmula batismal". Note os destaques de Carson:
“Muitos negam a autenticidade desta fórmula Trinitária, contudo, não com base em reconstruções duvidosas do desenvolvimento da doutrina, mas com base no fato que a única evidência que nós temos dos batismos cristãos indicam uma consistente fórmula batismal monádica no nome de Jesus (Atos 2:38; 8:16; 10:48; 19:5; similarmente, passagens como Rm 6:3). Se Jesus deu a fórmula Trinitária, por que ela foi diminuída? Não é mais fácil acreditar que a fórmula Trinitária foi um desenvolvimento relativamente tardio? Mas certas reflexões nos dão uma pausa.”

1. É possível, apesar de historicamente improvavel, que a fórmula Trinitária completa foi usada por pagãos convertidos, e "no nome de Jesus" para Judeus e prosélitos. Mas isto é duvidoso, não menos por que Paulo, o apóstolo dos gentios, nunca usa uma fórmula Trinitária para batismo.

2. Idéias trinitárias são encontradas nos relatos de ressurreição de ambos Lucas e João mesmo que estes evangelistas não relatam sobre a fórmula batismal Trinitária. A fé a ser proclamada era em certo sentido Trinitária desde o início. "Esta conclusão não deveria vir como uma grande surpresa: as tendências Trinitárias da igreja primitiva são bem facilmente explicadas se elas forem traçadas até o próprio Jesus; mas a importância do ponto para nosso estudo é que isto significa que a referência de Mateus à Trindade no capítulo 28 não é um elefante branco completamente fora do contexto" (D. Wenham, "Ressurrection", p. 53).

3. O termo "fórmula" está nos enganando. Não há evidência que temos Jesus ipsissima verba aqui e ainda menos que a igreja considerou o comando de Jesus como uma fórmula batismal, uma fórmula litúrgica cuja ignorância era uma brecha na lei canônica. O problema tem sido freqüentemente tratado em termos anacronísticos. E. Riggenbach (Der Trinitarische Taufbefehl Matt. 28:19 [Gutersloh: C. Bertelsmann, 1901]) aponta que tão antigo quanto o Didaquê, batismo em nome de Jesus e batismo no nome da Trindade coexistiam lado a lado: a igreja não estava ligada a "fórmulas" precisas e não sentia embarasso pela variedade delas, precisamente porque a instrução de Jesus, que não pode ter sido nestas palavras precisas, não foi considerada uma fórmula fixa.
Não é incomum escutar a noção que a frase tripartite em Mateus 28:19 é suspeita com base na crítica textual, mas quando alguém consulta os próprios dados, tais clamores são totalmente infundados.
Todo manuscrito bíblico Grego existente que contém este verso de Mateus possui a frase tripartite. Alguém poderia esperar que se, de fato, o original de Mateus (quer alguém presuma um original grego ou hebraico, ou ambos) não incluía a frase tripartite, que pelo menos alguma testemunha antiga deste original poderia ter sobrevivido.
Mas nenhuma simples testemunha, antiga ou nova, dá evidência que 28:19 algum dia existiu sem a frase tripartite. Quando nós olhamos para as versões a mesma situação é obtida.
A Peshitta Siríaca (em todas as suas testemunhas existentes), a Vulgata, a Cóptica, as versões Eslovacas - todas possuem a frase tripartite. A conclusão de Plummer é então garantida:
“É incrível que uma interpolação deste caráter pode ter sido feita no texto de Mateus sem deixar um traço de sua inautenticidade em um simples manuscrito ou versão. A evidência de sua genuinidade é esmagadora.”
Alguns, como George Howard, busca usar o texto de Mateus da Shem Tov (Even Bohan) para sugerir que o texto original de Mateus não contém a frase tripartite. Mateus 28:19 é lido da seguinte forma no Mateus de Shem Tov:
לכו אתם ושמרו [ולמדו] אותם לקיים כל הדברים אשר ציויתי אתכם עד עולם , "Vocês vão e guardem [ensinem] eles a estabelecer todas as palavras que eu ordenei a vocês para sempre."
Howard sugere a possibilidade que esta finalização menor do Evangelho de Mateus poderia refletir um texto que Eusébio também tinha. No curso do artigo, Howard refere ao bem conhecido artigo de F. C. Conybeare ("The Eusebian Form of the Text Matth. 28, 19" ZNW 2 [1901], 275-88) que pretende dar evidência para uma adição posterior da frase tripartite.
Ele também referencia um logion atribuido a Yeshua em um texto medieval mulçumano que alguns pensam ser paralelo ao final curto de Mateus.
David Flusser também achou que este poderia ser o caso. Contudo, um número de eruditos respondeu bem negativamente a estes clamores, oferecendo evidência substancial do contrário. Dado às grandes discrepâncias textuais entre o Mateus de Shem Tov e todos os outros manuscritos conhecidos do Evangelho, e enquanto nós podemos aplaudir os esforços de Howard para mostrar possíveis "leituras antigas" embutidas no texto da Shem Tov, parece dificilmente garantido usar esta fonte do século 14 para questões de crítica textual a menos que as leituras variantes que ele oferece mostre alguma evidência corrobativa de outros manuscritos.
Adicionalmente, os outros dois Mateus Hebraicos (du Tillet and Münster) contém a frase tripartite em Mateus 28:19.
Isto nos traz para a única evidência frequentemete citada por aqueles que contendem que a frase tripartite em Mateus 28:19 é uma adição tardia motivada por preocupações trinitárias da Igreja Cristã posterior: as citações ou alusões a este texto nos escritos de Eusébio.
Como notado acima, Eusébio cita ou alude a Mateus 28:19 com as palavras "fazer discípulos de todas as nações em Meu nome". Isto é encontrado um número de vezes em sua História Eclesiástica, mas há mais do que necessário para dizer.
Primeiro, Eusébio conhecia a frase tripartite em Mateus 28:19. Em sua Carta para a Igreja de Cesaréia nós lemos sua confissão de fé na luz do Concílio de Nicéia:
“Nós acreditamos em Um Deus, o Pai Todo-Poderoso, o Criador de todas as coisas visíveis e invisíveis. E em Um Senhor Jesus Cristo, a Palavra de Deus, Deus de Deus, Luz de Luz, Vida de Vida, Filho Unigênito, unigênito de toda criatura, antes de todas as eras, gerado do Pai, pelo qual também todas as coisas foram feitas; quem para nossa salvação foi feito carne, e viveu entre homens, e sofreu, e se levantou novamente no terceiro dia, e subiu ao Pai, e virá novamente em glória para julgar os vivos e os mortos, e nós cremos também no Único Espírito Santo; acreditando que cada um d'Estes serem e existirem, o Pai verdadeiramente Pai, e o Filho verdadeiramente Filho e o Espírito Santo verdadeiramente Espírito Santo, e também nosso Senhor, enviando Seus discípulos para a pregação, dizendo, Vá, ensinem todas as nações, batizando-os em o Nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.” Carta para o Concílio de Nicéia ,confissão de fé de Eusébio de Cesaréia.
“A respeito de quem nós confiantemente afirmamos que mantemos assim, e pensamos assim, e assim tivemos mantido anteriormente, e nós mantemos esta fé até a morte, anatematizando cada heresia ímpia. Que sempre pensamos isto de nosso coração e alma, do tempo que nós nos recordamos, e agora pensamos e dizemos em verdade, perante Deus Todo-Poderoso e nosso Senhor Jesus Cristo nós testemunhamos, sendo capazes através de provas de mostrar e convencer vocês, que, mesmo em tempos passados, esta foi nossa crença e pregação. (ênfase minha)”.
Segundo, quando Eusébio citava ou aludia a Mateus 28:19 sem referência à frase tripartite era em contextos onde seu objetivo primário era mostrar a necessidade de fazer discípulos em geral, citando apenas a parte de Mateus 28:19 que se enquadra neste propósito imediato. Que ele inclui a frase tripartite no contexto de uma confissão mostra que ele estava ciente de sua presença no texto de Mateus.

Terceiro, por que as citações de Eusébio que deixam de lado a frase tripartite são considerados de peso maior que outros Pais da Igreja que citaram ou aludiram o texto com a frase? Nós podemos notar as palavras de Justino (c. 100-165) em 1 Apol. 61.3:
“eles então executavam o banho na água, no nome do Pai do universo e do nosso Salvador Jesus Cristo e do Espírito Santo.”
Apesar de este não ser uma citação do texto de Mateus, ele certamente incorpora os mesmos três nomes no contexto do batismo.
Contudo, Inácio (c. 35-107) claramente cita nosso texto em sua Epistola aos de Filadélfia, ix:
“Pois aquelas coisas que foram anunciadas pelos profetas, dizendo "Até Ele vir para quem lhe está reservado, e Ele será a esperança dos gentios", (Gen 49:10) foram cumpridas no Evangelho, [nosso Senhor dizendo,] "Ide e ensinai todas as nações, batizando-os no nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". (Mateus 28:19) Tudo então são juntamente bons, a lei, os profetas, os apóstolos, a inteira companhia [dos outros] que tem acreditado através deles: somente se nós amarmos uns aos outros.”
Ireneu(c. 130-200) cita da mesma forma Mateus 28:19 com a frase tripartite em seu Contra Heresias:
“E de novo, dando aos discípulos o poder de regeneração em Deus, Ele disse a eles, "Ide e ensinais todas as nações, batizando-as no nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". (seção xvii)”
Notem também Tertuliano (c. 160-225):
“Consequentemente, depois que um destes se perdeu, Ele comandou os outros onze, em sua partida para o Pai, para "ir e ensinar todas as nações, que deveriam ser batizadas no Pai, e no Filho e no Espírito Santo" (A prescrição contra os hereges, xx)”

Nós devemos também adicionar o fato que a Didaquê contém a frase tripartite:
1 Quanto ao batismo, faça assim: depois de ditas todas essas coisas, batize em água corrente, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
2 Se você não tiver água corrente, batize em outra água. Se não puder batizar com água fria, faça com água quente.
3 Na falta de uma ou outra, derrame água três vezes sobre a cabeça, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. (Didache 7:1-3)
Um número de eruditos da Didaquê não acreditam que ela cita Mateus neste ponto, mas que ambos Mateus e a Didaquê se baseiam em uma tradição comum. Além disto, enquanto a data da Didaquê é debatida, a maioria dos eruditos a colocariam entre 90 e 120 CE com alguns sugerindo até mesmo uma data mais antiga. Ela então existe como uma antiga testemunha para a frase tripartite em conexão com o batismo, assim como temos ela em Mateus 28:19.
Dados estas informações, parece estranho que as referências a nosso texto por Eusébio, deixando de fora a frase tripartite, recebem mais atenção, especialmente desde que Eusébio viveu c. 260-340 CE, bem depois das testemunhas do texto de Mateus 28:19 pelos Pais da Igreja mais antigos notados acima.
Mesmo em sua História Eclesiástica baseada em fontes anteriores, não há nada diretamente para substanciar a noção que ele teve em posse de uma cópia mais antiga do Evangelho de Mateus que deixou de fora a frase tripartite. Além disto, o fato que o estilo de citação de fontes de Eusébio tem sido caracterizado como frequentemente "inexato" deveria nos alertar ao dar muito peso a suas alusões ou citações de Mateus 28:19.
Nós podemos também investigar o trabalho de comentadores do Evangelho de Mateus. A maioria dos comentadores modernos mantém que a frase tripartite de Mateus 28:19 é espúria ao próprio Evangelho e foi adicionada nos séculos posteriores? Não é incomum ouvir que tai é o caso, mas alguém dificilmente se dispõe a prová-lo. Além das citações dadas acima de Tasker, Hagner, Carson e Plummer, note os seguintes excertos de outros bem conhecidos comentários sobre Mateus:
O batismo Cristão em Atos é também 'no nome de', mas é sempre 'no nome de Jesus' ou algum equivalente. Em Paulo, batismo é 'em Cristo [Jesus]'. O 'Pai, Filho e Espírito Santo' de Mateus é bem distinto. É o uso de Mateus que predominou na prática batismal cristã posterior. E isto parece ter um efeito de distorcer sobre o entendimento das palavras de Mateus.
Nós não podemos saber se as igrejas seguidoras de Mateus usaram as palavras como uma fórmula em batismo ou não. Mas dadas as variações na linguagem do NT, claramente não havia consenso sobre uma fórmula batismal. E eu acho que é improvável que Mateus está refletindo a linguagem da prática batismal.
Em qualquer caso, nossa primeira tarefa deve ser entender a linguagem no presente contexto de Mateus e não em algum contexto putativo na prática batismal. Um largo número de eruditos tem pronunciado que a linguagem de Mateus é um corpo estranho em Mateus, mas este julgamento parece ser derivado ultimamente da leitura em relação ao (posterior) contexto batismal e não em relação ao Evangelho.
Minha preocupação é buscar o entendimento da linguagem de Mateus no contexto de Mateus.
Jesus continua a falar de batizar estes novos discípulos "no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo". Esta expressão tem causado uma controvérsia sem fim entre exegetas.
Há dois problemas separados, a instituição do batismo como um rito de iniciação para discípulos, e o uso da fórmula Trinitária. Sobre a primeira questão é apontado que Jesus não se engajou no batismo como João Batista, por exemplo, engajou.
Através de seu ministério ele não chamou seus seguidores para batizar aqueles que queriam se tornar fiéis. Disto é argumentado que batismo era um rito estabelecido pela igreja, e o comando para continuá-lo é visto como sendo colocado como palavras de Jesus. Mas contra isto está o fato que o batismo era parte da vida da igreja bem no seu início.
No dia de Savuot (conhecido como a festa de petencostes) Pedro pregou para o povo em Jerusalém, e quando eles perguntaram, "O que devemos fazer, irmãos?" ele respondeu sem consultar e sem hesitar, "Arrependam-se e sejam batizados" (Atos 2:37-38).
Nós não temos conhecimento de um tempo onde a igreja não possuía batismo ou incerteza de batismo. É difícil explicar isto fora de ser um comando de Jesus.
As palavras se referindo à Trindade são uma outra questão, mas nós devemos ter em mente que a fé mencionada no verso 18 "naturalmente resulta no conceito da Trindade" (Johnson).
Nós devemos ter em mente também que na igreja primitiva há referências ao batismo no nome de Jesus (ex., Atos 8:16; 19:5). Bonnard nota esta dificuldade, mas imediatamente adiciona, "ninguém pode duvidar que a fórmula trinitária já estava no princípio em Paulo" (p. 416; similarmente Allen destaca, "a concepção do Pai, Filho e Espírito Santo é claramente tão antiga quando a própria Sociedade Cristã").
 Tais passagens, contudo, não dão a fórmula usada no batismo, mas pode ser uma forma encurtada de diferenciar os batismos cristãos de outros batismos no mundo antigo.
ες τ νομα κ.τ.λ pode significar 'no nome do Pai e no nome do Filho e no nome do Espírito Santo' (cf. Justino, 1 Apol. 61).
A dificuldade com isto, contudo, é que alguém poderia esperar τ νόματα.
A alternativa é supor que o único nome divino - o nome revelado de poder (Êx 3.13-15; Pv 8.10; Jub. 36.7) - tem sido compartilhado pelo Pai com Jesus e o Espírito, e há textos antigos que falam do Pai dando seu nome a Jesus (Jo 17.11; Fp 2.9; Evangelho da Verdade 38.5-15).
Mas não temos conhecimento de textos comparáveis a respeito do Espírito.
Nós vemos nenhum trinitarismo desenvolvido no primeiro Evangelho. Mas certamente intérpretes posteriores acharam na formulação batismal uma igualdade implícita entre Pai, Filho e Espírito Santo.
Por exemplo Basílio o Grande, Hom. Spir. 10.24; 17.43
Pai,...Filho,...Espírito Santo. Se nós abordarmos este verso com uma ortodoxia pós-Nicena completamente desenvolvida em nossas mentes, nós seremos tão solidários as nossas fontes quanto são aqueles que acham neste verso uma alta sofisticação e um bem tardio estágio de formulação doutrinal inserida no texto. Pois todos nós sabemos, tal dito poderia estar no agora perdido final de Marcos.
Mesmo se afastando da especulação, o conceito de Deus como Pai, Filho e Espírito Santo é claramente tão velho quanto a Comunidade Messiânica como é conhecida por nós no Novo Testamento. Cf., por exemplo, 1Cr 12:4-6; 2Cr 13:14; 1Pd 1:2; 1Jo 3:23-24. Em Marcos nós temos "Pai" e "Filho" tão claramente antitético que - permitindo crenças judaicas sobre "o Espírito" - ele claramente abriu o caminho para a crença trinitária.
A antítese Pai-Filho é encontrada em Mt 26:27 e é muito comum em João. Mas o que também é comum em João é a ênfase no Paracleto, claramente representado como sendo nem o Pai nem o Filho.
Parece claro do material primário em Atos que o batismo era feito "no nome de" e também "para o nome de" Jesus como Senhor e Messiah.
O erro de muitos escritores sobre o Novo Testamento está em tratar este enunciado como uma fórmula litúrgica (que se tornou assim mais tarde), e não como uma descrição de qual batismo feito.
O evangelista, quem não só devemos pelo menos permitir ser familiar com os costumes batismais da primordial Comunidade Messiânica, pode bem ter adicionado ao batismo deles seu próprio sumário de qual batismo foi feito.
É bom também lembrar que a Didaquê também tem este sumário do batismo (Didaque vii) e sua referência à "água corrente" reflete uma antiga preocupação essênica.
A estes pode ser também adicionados os comentários de Rudolf Schnackenburg (The Gospel of Matthew), H. A. W. Meyer (Commentary on the New Testament, Willoughby Allen (original Matthew in the ICC), J. P. Lange (Critical, Doctrinal and Homiletical Commentary on the New Testament), Adam Clarke (The New Testament of our Lord and Savior Jesus Christ), J. B. Lightfoot (A Commentary on the New Testament
from the Talmud and Hebraica), A. B. Bruce (Expositor's Greek Testament), Henry Alford (The Greek Testament), todos dos quais afirmam a frase tripartite como original ao Evangelho de Mateus. Nós podemos adicionar a estes comentadores os destaques em vários trabalhos por outros eruditos: Eckhard Schnabel (Early Christian Mission), N. T. Wright (The Resurrection of the Son of God), Jacob Van Bruggen (Jesus the Son of God), Kurt Niederwimmer (The Didache [Hermeneia]), James D. G. Dunn (Christology in the Making), Simon Gathercole (The Pre-existent Son), e a lista poderia continuar.

A questão, então, é como a frase tripartite poderia ser suspeita de ser espúria em primeiro lugar? Desde que não há um único fragmento de manuscrito como evidência para sugerir qualquer variante a respeito da frase, nem nenhuma das versões mais antigas a excluem; desde que um número de antigos Pais da Igreja citam o verso com a frase tripartite; e desde que Eusébio, que cita uma versão menor, também cita a versão maior com a frase, nós não temos razão real de questionar sua autenticidade. Parece que aqueles que questionam sua autenticidade o fazem com base em que:
(1) ela representa uma fórmula batismal trinitária que se desenvolveu posteriormente, no século 2 ou mais, e (2) a consistente fórmula batismal em Atos emprega o nome de Yeshua apenas. Mas nós temos mostrado que não há necessidade de ver uma "fórmula batismal" em Mateus 28:19, nem algum tipo de "trinitarismo" desenvolvido, não obstante que alguns tentaram ler estes desenvolvimentos tardios do texto.
Mas este não é o coração da questão. Avaliação de se um texto dado é autêntico ou não deveria ser feito com base nas evidências de manuscritos existentes, não com base em pressuposições teológicas ou tendências de alguém. Aqueles que se acham em oposição às doutrinas trinitárias formuladas posteriormente pela Igreja Cristã poderiam facilmente suspeitar de Mateus 28:19 de dizer algo que ele realmente não diz. Ler o texto com óculos anti-trinitários impede a objetividade.
Como notado acima, não há razão para pensar que a frase tripartite de Mateus flui de um trinitarismo desenvolvido. A justaposição de títulos tais como "Pai" ou "Deus" com "Filho" ou "Yeshua/Messiah" e "Espírito" ou "Espírito Santo" é comum nas Escrituras Apostólicas. Nós podemos notar o seguinte por meio de exemplos:
“Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.” (1 Coríntios 12:4-6) ACRF

“A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos vós. Amém.” (2 Coríntios 13:14)

“4 Há um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação;
5 Um só Senhor, uma só fé, um só batismo;
6 Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós.”
(Efésios) 4:4-6

“13 Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade;
14 Para o que pelo nosso evangelho vos chamou, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo.”
(2 Tessalonicenses 2:13-14)

“2 Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo: Graça e paz vos sejam multiplicadas.” (1 Pedro 1:2)
Além do mais, parece bastante provável que os textos paulinos citados acima foram todos escrito em um tempo bem contemporâneo com (ou talvez até mais cedo que) a escrita dos Evangelhos. Sendo este o caso, nós não deveríamos estar preocupados demais em achar "Pai", "Filho", e "Espírito Santo" no texto de Mateus, ainda que para fazer isto é requerido algum tipo de explicação.
Certamente as formulações filosóficas e ontológicas trinitárias apareceram séculos depois da escrita do Evangelho de Mateus, mas a confissão da relação do Pai e do Filho foi ensinada pelo próprio Yeshua, ao mesmo tempo que o presente e ativo trabalho do Espírito, certamente foi um antigo fenômeno entre os discípulos de nosso Mestre. Então, para Mateus gravar as palavras de Yeshua que comissionou Seus discípulos a batizar crentes gentios "no nome do Pai, Filho e Espírito Santo", deve no mínimo significa que tais crentes gentios deveriam confessar sua nova relação com o Deus de Israel, obtida pela vinda de Seu Filho como Messiah, e feito real ou poderoso pelo trabalho interior do Espírito.
Se nós podemos ler as palavras de Mateus sem impô-las os debates cristológicos dos séculos posteriores, nós podemos aceitá-los como valorosos sem ter que achar alguma suposta razão textual para descartá-los
Segunda exposição de dados
Tertuliano (em latim: Quintus Septimius Florens Tertullianus;  160 a 220 (60 anos)) foi um prolífico autor das primeiras fases do Cristianismo, nascido em Cartago na província romana da África . Ele foi um primeiro autor cristão a produzir uma obra literária (corpus) em latim. Ele também foi um notável apologista cristão e um polemista contra a heresia.
Embora conservador, ele organizou e avançou a nova teologia da Igreja antiga. Ele é talvez mais famoso por ser o autor mais antigo cuja obra sobreviveu a utilizar o termo "Trindade" (em latim: Trinitas) e por nos dar a mais antiga exposição formal ainda existente sobre a teologia trinitária . É um dos Padres latinos.
Algumas das idéias de Tertuliano não eram aceitáveis para os ortodoxos e, no fim de sua vida, ele se tornou um montanista.
Analogia do tema

É verdade que as palavras “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mt 28:19) não foram escritas por Mateus, mas foram acrescentadas pela Igreja Católica?

Mateus 28:19 é um dos textos bíblicos mais frequentemente utilizados para defender a doutrina da Trindade. Mas alguns grupos cristãos que não creem nessa doutrina afirmam que as palavras “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” não estavam no texto original. Examinaremos os principais argumentos utilizados em defesa dessa teoria.[1]

1. Manuscritos do Novo Testamento – Aqueles que dizem que Mateus 28:19 foi modificado argumentam que, de acordo com o texto original, o batismo deveria ser realizado “em Meu [de Jesus] nome”. Ao examinarmos essa teoria, precisamos nos lembrar de que o Novo Testamento foi escrito originalmente no idioma grego, mas nenhum manuscrito redigido pelos próprios autores bíblicos chegou até nossa época. Porém, são conhecidos mais de cinco mil manuscritos antigos que contêm o Novo Testamento em seu idioma original. Assim, podemos ter certeza de que, ao longo de dois mil anos, Deus preservou Sua Palavra.[2]

De acordo com os estudiosos, a expressão “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” aparece em todos os manuscritos antigos do evangelho de Mateus. Por outro lado, não existe nenhum manuscrito em que apareçam as palavras “em Meu [de Jesus] nome” ou qualquer outra expressão.[3]

Esse fato é confirmado pelas mais importantes obras sobre o assunto: a edição do Novo Testamento grego e a obra oficial que possui comentários sobre esses manuscritos.[4] Outra importante obra, International Standard Bible Encyclopedia, declara que “as credenciais textuais [de Mt 28:19] são suficientemente sólidas”,[5] ou seja, não há dúvidas sobre o texto original de Mateus 28:19.


As palavras “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” aparecem também em todas as traduções antigas do evangelho de Mateus ou do Novo Testamento completo, tais como a Peshitta Siríaca, a Vulgata latina, a Copta e as versões eslovacas. É interessante observar que os cristãos sírios e coptas (que possuíam sua própria tradução do Novo Testamento) não estavam ligados à Igreja Católica Romana, mas aceitavam essa passagem bíblica como autêntica. Após analisar esses fatos, um estudioso afirmou: “É incrível que uma interpolação desse caráter tenha sido feita no texto de Mateus sem deixar qualquer traço de sua inautenticidade em um simples manuscrito ou versão [tradução]. A evidência de sua genuinidade é esmagadora.”[6]

À vezes é dito que o evangelho de Mateus foi escrito originalmente em hebraico ou aramaico. As pessoas que afirmam que Mateus 28:19 foi modificado alegam que, no evangelho escrito nesses idiomas, Jesus ordenava que o batismo deveria ser efetuado “em Meu nome”. Mas essa teoria deve ser rejeitada por várias razões: (1) até hoje não foi encontrado nenhum fragmento hebraico ou aramaico desse evangelho; (2) “o grego de Mateus não apresenta qualquer indício de ter sido traduzido do aramaico”; e (3) existem muitas evidências de que Mateus utilizou o evangelho de Marcos, escrito em grego, para escrever seu próprio evangelho.[7]

Alguns mencionam uma versão de Mateus em hebraico traduzida por George Howard, que contém as palavras “em Meu [de Jesus] nome” em Mateus 28:19. Argumenta-se que esse texto apresenta o texto exato do evangelho em seu idioma original. No entanto, o texto traduzido por Howard é do século 14 e, portanto, muito tardio para ser utilizado como evidência das palavras originais do evangelho. Além disso, essa versão pertencia a um judeu que a utilizou em livros que atacavam a fé cristã. Portanto, esse suposto evangelho em hebraico é muito tardio, de segunda mão e pertencia a um crítico do cristianismo.[8]

Apesar disso, outros dois textos em hebraico de Mateus (Du Tillet e Münster), que são aproximadamente da mesma época que o de Howard, contêm a expressão “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. Mesmo que admitíssemos que esse evangelho tivesse sido escrito originalmente em hebraico ou aramaico, não há evidência de que as palavras de Mateus 28:19 fossem diferentes do texto que conhecemos.

2. Antigos escritores cristãos – Outra maneira de saber quais eram as palavras exatas que apareciam nos textos originais do Novo Testamento é ver como eram citados pelos autores cristãos que viveram pouco tempo depois dos apóstolos. Aqueles que afirmam que o texto original de Mateus 28:19 foi modificado dizem que esses autores citavam a passagem sem as palavras “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”.

Os documentos históricos, no entanto, mostram que todas as vezes em que os antigos escritores cristãos se referiam a Mateus 28:19, eles citavam as palavras “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. Os exemplos incluem a Didaquê, um manual doutrinário para candidatos ao batismo, produzido entre 70 e 100 d.C.; Inácio de Antioquia (50-110 d.C.); Justino Mártir (100-165 d.C.); Taciano, o Sírio (120-180 d.C.); Irineu de Lyon (130-200 d.C.); Tertuliano de Cartago (150-220 d.C.); Hipólito de Roma (170-235 d.C.); Orígenes (185-253 d.C.); Cipriano (morreu em 258 d.C.); Dionísio de Alexandria (morreu em 265 d.C.); Vitorino de Pettau (morreu em 303 d.C.) e os autores do Tratado Contra o Herege Novaciano e do Tratado Sobre o Rebatismo.[9]

Outro argumento comum contra a autenticidade de Mateus 28:19 se baseia nos escritos de Eusébio de Cesareia (265-339 d.C.), historiador cristão que viveu na época do imperador Constantino. Várias vezes ele citou Mateus 28:19 com as palavras “em Meu [de Jesus] nome”. Os estudiosos observam, entretanto, que Eusébio tinha o hábito de citar a Bíblia de forma bastante imprecisa.[10] Por isso, suas citações não são utilizadas para se determinar as palavras exatas do Novo Testamento.

Em realidade, Eusébio citava Mateus 28:19 de três maneiras diferentes: (1) “Ide e fazei discípulos de todas as nações”; (2) “Ide e fazei discípulos de todas as nações em Meu nome”; e (3) “Ide e fazei discípulos de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. É importante observar que Eusébio jamais citou o texto como se esse ordenasse o batismo “em Meu nome”, mas fazer discípulos em Meu nome.

Alguns afirmam que, antes do Concílio de Niceia (325 d.C.), Tertuliano citava o texto da primeira e segunda formas e, depois do Concílio, citava da terceira forma. Esse argumento possui várias falhas: (1) ao contrário do que geralmente é dito, o Concílio de Niceia não discutiu a Trindade, mas a relação de Cristo com Deus, o Pai; (2) Mateus 28:19 não era um texto utilizado nas discussões sobre a Trindade e a natureza de Cristo na época de Eusébio; e (3) Eusébio utilizou cada uma das três formas antes e depois do Concílio de Niceia.

Além disso, ao mencionar o texto de Mateus 28:18-20, Eusébio combinava-o com Mateus 10:8; 24:14; Marcos 16:17; Lucas 24:47 e João 20:22. Portanto, ele não citava as palavras de Mateus 28:19 de forma isolada, mas mesclava todas essas passagens. As palavras “em Meu nome” derivam de Marcos 16:17 e Lucas 24:47.[11]

3. A Bíblia de Jerusalém Aqueles que defendem que o texto original de Mateus 28:19 foi modificado costumam citar uma nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém a respeito dessa passagem. A nota afirma: “É possível que em sua forma precisa, essa fórmula reflita influência do uso litúrgico posteriormente fixado na comunidade primitiva. Sabe-se que o livro dos Atos fala em batizar ‘no nome de Jesus’ (cf. At 1,5+, 2,38+). Mais tarde deve ter-se estabelecido a associação do batizado às três pessoas da Trindade.”[12] De acordo com os defensores da teoria que estamos analisando, essa citação afirma que o evangelho de Mateus originalmente não continha as palavras “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”.

Para que essa nota de rodapé seja entendida corretamente, precisamos nos lembrar de que as introduções e notas da Bíblia de Jerusalém foram escritas por estudiosos católicos e protestantes que interpretam as Escrituras por meio do método histórico-crítico. Esse método afirma (1) que os autores da Bíblia não produziram um livro completamente harmônico, mas repleto de contradições históricas e teológicas; (2) que a Bíblia não é a Palavra de Deus, mas apenas contém a Palavra de Deus (ensinos corretos) mesclada à palavra dos seres humanos (falsos ensinos resultantes da sociedade primitiva); (3) que, antes de serem escritos, os textos bíblicos circulavam de forma oral, e muito de sua exatidão foi perdida; (4) que a Bíblia foi escrita não apenas por profetas, mas pelas comunidades em que eles viviam; (5) que essas comunidades selecionaram, escreveram, corrigiram e acrescentaram textos aos escritos originais dos profetas e apóstolos; e (6) que o leitor da Bíblia não deve aceitar como correta a declaração de um texto bíblico até que ele seja confirmado pela ciência ou pela história. Não podemos aceitar esse método, pois cremos que a Bíblia é a Palavra escrita de Deus e não contém falsos ensinos humanos (Mt 5:17-18; Mc 7:13; Jo 10:35; 2Tm 3:16; 2Pe 1:20-21).[13]

Segundo os adeptos desse método, os evangelhos muitas vezes não apresentam as palavras autênticas de Jesus, mas as adaptam conforme a necessidade e as crenças (corretas ou incorretas) dos cristãos que escreveram cada evangelho. Muitas narrações e milagres foram inventados ou distorcidos com o objetivo de ensinar lições morais a seus leitores. Para esses estudiosos, o evangelho de Mateus terminou de ser escrito depois da morte desse apóstolo. Mateus já havia escrito as partes essenciais do evangelho, mas o texto foi ampliado pelos líderes da igreja local fundada por ele. E, nesse processo, diversas histórias e ensinos falsos acabaram por entrar no evangelho.

A compreensão dos adeptos do método histórico-crítico a respeito de Mateus 28:19 é apresentada, por exemplo, pelo Anchor Bible Dictionary. Esses estudiosos admitem que o evangelho original de Mateus ensina “o batismo no nome da Trindade (28:19), ordenado pelo ressurreto Filho do homem”[14] e “a menção da Trindade na fórmula batismal”.[15] Porém, eles argumentam que essa “não é uma declaração autêntica de Jesus nem mesmo uma elaboração de uma declaração de Jesus sobre o batismo”.[16] Em outras palavras, o evangelho de Mateus afirma que Jesus pronunciou essas palavras, mas, em realidade, isso jamais aconteceu.

Os defensores da teoria argumentam, ainda de acordo com o Anchor Bible Dictionary, que “Mateus 28:19 representa a convicção do evangelista de que sua igreja [comunidade local] praticava o batismo de acordo com a vontade de Jesus e reflete a fórmula batismal ali utilizada”.[17] Ou seja, a igreja local onde foi escrito esse evangelho batizava “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. Na tentativa de justificar essa prática, o evangelho afirma, de maneira enganosa, que essa havia sido uma ordem dada por Jesus.

Christopher Stead argumenta que Mateus não estava “relatando palavras autênticas de Jesus; o que, sem dúvida, a passagem deixa claro é que a fórmula triádica [a expressão “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”] era, nesses termos, aceita e usada numa influente comunidade cristã algum tempo antes de 100 d.C. (já que, ainda que o Evangelho [de Mateus] fosse datado de um pouco mais tarde, dificilmente o escritor poderia estar introduzindo uma novidade)”.[18] A ideia defendida é a mesma que aparece no Anchor Bible Dictionary.

Aqueles que afirmam que o texto de Mateus 28:19 foi modificado citam vários outros livros, principalmente enciclopédias, que apresentam a mesma teoria que a Bíblia de Jerusalém, o Anchor Bible Dictionary e Christopher Stead. Mas não podemos aceitar o que é dito por essas fontes, pois se baseiam no método histórico-crítico para analisar esse versículo. Além disso, ao contrário do que fizemos no início deste artigo, nenhuma dessas fontes cita qualquer autor antigo para apoiar suas conclusões. Em outras palavras, são meras suposições sem qualquer fundamento histórico.

À luz desses fatos, a nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém a respeito de Mateus 28:19 pode ser facilmente compreendida. Citamos novamente o texto em discussão e acrescentamos comentários entre colchetes: “É possível [no método histórico-crítico há poucas certezas e muitas suposições] que em sua forma precisa, essa fórmula [que está no evangelho de Mateus; em momento algum a nota nega esse fato] reflita influência do uso litúrgico [da cerimônia do batismo] posteriormente fixado [a expressão surgiu não quando Jesus a proferiu, mas muito tempo depois] na comunidade primitiva [a igreja local de Mateus]. Sabe-se que o livro dos Atos [escrito antes da destruição do templo, em 70 d.C.] fala em batizar ‘no nome de Jesus’ (At 1,5+, 2,38+). Mais tarde [na igreja de Mateus, no fim do primeiro século] deve ter-se estabelecido a associação do batizado às três pessoas da Trindade.”

De acordo com os adeptos do método histórico-crítico, não é porque Jesus assim havia ordenado que a comunidade de Mateus batizava “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”. Ao contrário: o evangelho falsamente atribui a Jesus essas palavras porque aquela comunidade já as utilizava. Portanto, de acordo com esses estudiosos, não foi o ensino de Jesus que determinou a prática dos cristãos, mas a prática dos cristãos que determinou o suposto ensino de Jesus.

Não podemos concordar com a nota da Bíblia de Jerusalém sobre Mateus 28:19, pois ela argumenta que Jesus não pronunciou as palavras registradas nesse versículo. Mas a citação não afirma que as palavras “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” não estavam no texto original do evangelho. Aqueles que defendem a teoria que analisamos distorcem a declaração da Bíblia de Jerusalém.

Conclusão

As evidências mostram, de maneira unânime, que as palavras “em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (1) aparecem em todos os manuscritos gregos do evangelho de Mateus e, portanto, estavam no texto original; (2) sempre foram citadas exatamente dessa maneira pelos antigos escritores cristãos; e (3) não têm sua presença no evangelho de Mateus negada pela Bíblia de Jerusalém ou por fontes semelhantes. Portanto, a teoria de que o texto original de Mateus 28:19 foi modificado pela Igreja Católica não possui qualquer fundamento.

Aqueles que, contra todas as provas, insistem em rejeitar a autenticidade de Mateus 28:19, deveriam considerar as advertências de Deus contra o desprezo a qualquer parte das Escrituras (Mt 5:17, 18; Mc 7:9-13; Ap 22:19). A respeito daqueles que confiam em Sua Palavra, o Senhor declara: “A este Eu estimo: ao humilde e contrito de espírito, que treme diante da Minha Palavra” (Is 66:2, NVI).

(Matheus Cardoso é editor associado da revista Conexão JA e editor assistente de livros na Casa Publicadora Brasileira)
Notas
[1] Donald A. Hagner, Mateus 14-28, vol 33b no The Word Bible Commentary (Word, 1995), pág. 887-88.
[2] Ibid., pág. 888.
[3] Veja http://www.apostolic.net/biblicalstudies/matt2819-willis.htm, acessado 12/25/06.
[4] R. V. G. Tasker, The Gospel According to St. Matthew in Tasker, ed., Tyndale New Testament Commentaries (Eerdmans,1961)
[5] Ibid., pág. 275.
[6] James Hastings, ed., A Dictionary of the Bible 4 vols (Scribners, 1905), 1.241-42.
[7] Ibid.
[8] J. C. Lambert, "Sacraments" em James Orr, ed., The International Standard Bible Encyclopedia (1915).
[9] Uma quantidade de outros enganos similares são parte da página de internet de Willis sobre Mateus 28:19, mas os poucos listados deveriam dar ao leitor uma pausa suficiente de confiar em qualquer coisa que este autor apresenta.
[10] Basta apenas procurar pela internet sobre "Mateus 28:19" para ver a forma na qual a desinformação irresponsável e enganos maliciosos se multiplicam em leitores insuspeitos. Tal estado de acontecimentos deveriam fortalecer nossa resolução de aceitar conclusões apenas quando nós verificarmos as fontes.
[11] Rudolph Bultmann, Theology of the New Testament 2 vols (Scribners, 1951), 1.133-34.
[12] D. A. Carson, "Matthew" em Frank Gaebelein, ed., The Expositor's Bible Commentary 12 vols. (Zondervan, 1990), 8.598.
[13] Que tal é o caso pode ser visto pelo fato que Bart Ehrman em seu The Orthodox Corruption of Scripture (Oxford,1993) não menciona nada sobre a corrupção textual de Mateus 28:19 pela razão óbvia que nenhuma variante textual existem nos manuscritos gregos relacionados com a frase tripartite. Como é o propósito neste trabalho de mostrar que os debates cristológicos de séculos posteriores introduziram variantes teologicamente induzidas no texto, se algumas destas variações existiram para Mateus 28:19, ele sem dúvidas teria as incluido.
[14] Alfred Plummer, An Exegetical Commentary on the Gospel According to S. Matthew (James Family Reprint, n.d.), pág.432.
[15] George Howard, "A Note on the Short Ending of Matthew." HTR 81 (1988) 117-20. Também note seu destaque deste efeito no Evangelho Hebraico de Mateus (Mercer, 1995), pág. 192-194.
[16] Este artigo, contudo, foi amplamente refutado por E. Riggenbach (Der Trinitarische Taufbefehl Matt. 28:19 [Gutersloh: C. Bertelsmann, 1901]) que mostrou que a Didaquê usava tanto a pequena quanto a tripartite fórmula litúrgica (cf. 7.1, 3; 9.3; 10.2).
[17] Shlomo Pines, The Jewish Christians of the Early Centuries of Christianity according to a New Source, Proceedings of the Israel Academy of Sciences and Humanities 2/13 (Jerusalem: Central Press, 1966).
[18] David Flusser, "The Conclusion of Matthew in a New Jewish-Christian Source," ASTI 5(1967), 110-20.
[19] Veja Howard, Hebrew Gospel of Matthew, Op. cit., pág. 193, n. 37.
[20] ex., Hist. Ec. III.5.ii; X.16.viii. Davies e Allison (Matthew in The International Critical Commentary, 3 vols [ T&T Clark, 1997], 3.684, n. 41) indica que as alusões ou citações de Eusébio de Mateus 28:19 desta forma acontecem 16 vezes. Contudo, B. J. Hubbard (The Matthean Redaction of a Primitive Apostolic Commissioning, SBLDS 19, [Missoula, 1974], pág. 151-75) mostra o hábito de Eusébio de "citar o NT de forma inexata e combinando ou pelo menos agrupando passagens de grande proximidade que se relacionam de alguma forma umas com as outras."
[21] Documento E na História Eclesiástica de Eusébio Pamphilus (Baker Book House, 1955), Apêndice sobre o Concílio de Nicéia, p. 43ff.
[22] Veja Kurt Niederwimmer, The Didache in Hermeneia (Fortress, 1998), págs. 126-27, e pág. 126, n. 11; Willy Rordorf, "Baptism According to the Didache" em Jonathan A. Draper, ed., The Didache in Modern Research (Brill, 1996), págs. 217-18.
[23] John Nolland, Matthew in Marshall and Hagner, eds., The New International Greek Testament Commentary (Eerdmans, 2005), pág. 1268.
[24] Leon Morris, Matthew in The Pillar New Testament Commentary (Eerdmans, 1992), ad loc, Matthew 28:19.
[25] W. D. Davies and D. C. Allison, Matthew 3 vols em The International Critical Commentary (T&T Clark, 1997), 3.685-86.
[26] W. F. Albright e C. S. Mann, Matthew in Albright and Freedman, eds. The Anchor Bible (Doubleday, 1971), págs. 362-63.
Referências:
[1] Para mais informações sobre a autenticidade de Mateus 28:19, veja as seguintes pesquisas acadêmicas disponíveis na internet: Vander Ferraz Krauss, “A Fórmula Batismal de Acordo com Mateus 28:19” (monografia, Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia, Instituto Adventista de Ensino do Nordeste, 2004); Tim Hegg, “Mateus 28:19: Uma investigação crítica-textual [sic]”; Mark Clarke, “Textual Evidence and the Great Comission”.
[2] Para estudo sobre a história e confiabilidade dos manuscritos do Novo Testamento, ver Wilson Paroschi, Crítica Textual do Novo Testamento (São Paulo: Editora Vida, 1998); Bruce M. Metzger e Bart Ehrman, The Text of the New Testament: Its Transmission, Corruption, and Restoration (Nova York: Oxford University Press, 2005).
[3] Ver, por exemplo, Benjamin J. Hubbard, The Matthean Redaction of a Primitive Apostolic Commissioning: An Exegesis of Matthew 28:16-20, Society of Biblical Literature Dissertation Series, v. 19 (Missoula, MT: Scholars’ Press, 1974); J. Schaberg, The Father, the Son and the Holy Spirit: The Triadic Phrase in Matthew 28:19b, Society of Biblical Literature Dissertation Series, v. 61 (Chicago: Scholars’ Press, 1982); Donald A. Hagner, Matthew 14-28, Word Biblical Commentary, v. 33b (Nashville, TN: Thomas Nelson, 1995), p. 880-881.
[4] Erwin Nestle e Kurt Aland, eds., Greek-English New Testament (Stuttgart: Deutsche Bibelgessellschaft, 1994), p. 87; Bruce M. Metzger, A Textual Commentary on the Greek New Testament (Nova York: United Bible Societies, 1994).
[5] G. W. Bromiley, “Baptism”, em International Standard Bible Encyclopedia, ed. Geoffrey W. Bromiley (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1979), v. 1, p. 411.
[6] Alfred Plummer, An Exegetical Commentary on the Gospel of Matthew (James Family Reprint, s/d), p. 432.
[7] Hagner, Matthew 14-28, p. xiv.
[8] George Howard, Hebrew Gospel of Matthew (Macon, GA: Mercer University Press, 1995).
[9] Didaquê 7.1-3; Inácio, Aos Filadelfos 9, em The Ante-Nicene Fathers: Translations of the Writings of the Fathers down to A. D. 325 (daqui em diante, ANF), ed. Alexander Roberts e James Donaldson (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1967), v. 1, p. 85; Justino Mártir, Primeira Apologia 61, em ANF, v. 1, p. 183; Taciano, o Sírio, Diatessaron 55; Irineu, Contra Heresias 3.17.1, em ANF, v. 1, p. 444; Tertuliano, Prescrições Contra os Hereges 20, em ANF, p. 3, p. 252; idem, Contra Práxeas 26, em ibid., p. 623; idem, Sobre o Batismo 6, 8, em ibid., p. 672, 676; Hipólito, A Tradição Apostólica 21; Contra a Heresia de um Certo Noeto 14, em ANF, p. 5, p. 228; Orígenes, Comentário de Romanos 5.8; Cipriano, Epístolas 24.2, em ANF, p. 5, p. 302; 62.18, em ibid., p. 363; 72.5, em ibid., p. 380; idem, Tratados, 12.2.26, em ibid., p. 526; idem, Sétimo Concílio de Cartago, em ibid., p. 567, 568, 569; Dionísio de Alexandria, Primeira Carta a Sisto, Bispo de Roma 2; Vitorino de Pettau, Comentário Sobre o Apocalipse do Bendito João, 1.15 em ANF, v. 7, p. 345; Tratado Contra o Herege Novaciano 3, em ANF, p. 5, p. 658; Tratado Sobre o Rebatismo 7, em ANF, p. 5, p. 671. Todas essas referências estão disponíveis no site da Christian Classics Ethereal Library.
[10] Hubbard, The Matthean Redaction of a Primitive Apostolic Commissioning, p. 151-175.
[11] G. R. Beasley-Murray, Baptism in the New Testament (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1988), p. 82.
[12] Bíblia de Jerusalém (São Paulo: Paulus, 2002), p. 1.758.
[13] O uso do método histórico-crítico pela Bíblia de Jerusalém pode ser visto, por exemplo, nas introduções ao Pentateuco (p. 21-31), a Provérbios (p. 1.020-1.021), a Isaías (p. 1.237-1.239), a Daniel (p. 1.244-1.246) e aos quatro evangelhos (p. 1.690-1.694). Para uma introdução ao método histórico-crítico, ver Augustus Nicodemus Lopes, A Bíblia e Seus Intérpretes: uma breve história da interpretação (São Paulo: Cultura Cristã, 2004), p. 183-195, 241-244. Uma análise crítica desse método pode ser encontrada em Gerhard F. Hasel, Teologia do Antigo e Novo Testamento: questões básicas no debate atual (São Paulo: Academia Cristã, 2007).
[14] Lars Hartman, “Baptism”, em The Anchor Bible Dictionary, ed. David Noel Freedman (New York: Doubleday, 1992), v. 1, p. 584.
[15] Ibid., p. 590.
[16] Ibid., p. 585.
[17] Ibid., p. 590.
[18] Christopher Stead, A Filosofia na Antiguidade Cristã (São Paulo: Paulus, 1999), p. 142.

Histórico da Obra

Histórico das Igrejas em Obra de Restauração no Brasil


O material contido neste histórico foi coletado em sites e através de pesquisas que duraram um ano e cinco meses, e está sendo disponibilizado gratuitamente para os que ainda não conhecem nosso histórico.

Primeiro Livro

O colapso das “Igrejas Evangélicas”


A obra apresenta dezesseis artigos relacionados à vida e à identificação de algumas igrejas evangélicas que passam, segundo o próprio autor, que é evangélico, por um colapso da apostasia.

Segundo Livro

Perdoa-nos assim como nós perdoamos
Você perdoa facilmente? Ama intensamente? Briga com facilidade? Tem muitos amigos? Confia em muitas pessoas? Sabe dizer quando está certa ou errada? Prefere morrer por quem ama, ou viver sem a pessoa amada? Considera-se uma pessoa controlada?

Translate

Receba novos artigos por Email

Inscreva-se em meu Canal no You Tube

Postagens Recentes

A Restauração não começou em 1962

A DOUTRINA BÍBLICA DO USO DO VÉU

Noções de Hebraico Bíblico

Pentecostal?

Quantidade de visitas até o momento

Visitantes lendo o Blog agora

Pesquisar neste blog

Carregando...

Código Penal - Decreto-lei 2848/40

Decreto-lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940
Ultraje a culto e impedimento ou perturbação de ato a ele relativo
Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso: Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa.Parágrafo único - Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.

TOLERANDO A GENTE SE ENTENDE

Clique AQUI e saiba porque

CONSEQUÊNCIAS


ISSO NÃO SÃO LÍNGUAS ESTRANHAS

CONHEÇA A HISTÓRIA DA OBRA

Clique na imagem para ampliar

Ajuste de Conduta - Magno Malta

Anúncios AdSense

Pois muitos andam entre nós evangélicos

Intolerância Religiosa

LinkWithin

União de Blogueiros Evangélicos

Seguidores do Google+

Desenhos bíblicos - Evangelizando os pequeninos

EU TENHO UM SONHO

Mensagem na Assembleia de Deus em Nova Campina

PROMOÇÃO SUBMARINO

A escolha de Deus

PROMOÇÃO CASAS BAHIA

Ministério pastoral - Base bíblica

PROMOÇÃO RICARDO ELETRO

A igreja continuísta

PROMOÇÃO LIVRARIA SARAIVA

Elohim, qualquer adoração?

Como você conheceu o blog?

PARCEIRO

Estudo na Assembleia de Deus em Suruí

PROMOÇÃO LOJAS AMERICANAS

O uso do véu: uma abordagem simples

PROMOÇÃO PONTO FRIO

Resposta a CACP - Sobre o véu

PROMOÇÃO EXTRA

Daniel Pena contesta Pr. Ivan Saraiva

PROMOÇÃO LIVRARIA DA FOLHA

Ateísmo e religião

 
Copyright © 2013. Daniel Alves Pena - All Rights Reserved
Template Adpted by Daniel Pweb Published by Daniel Pena
Ora, daqueles que pareciam ser alguma coisa, esses, nada me acrescentaram,antes, pelo contrário, (Gálatas 2.6)